Patrícia Camargo

Patrícia Camargo - Formação em Psicanálise Clínica com o Prof. Wilson Cerqueira, do Centro de Estudos em Psicanálise Clínica, filiado à Associação Brasileira de Psicanalistas Clínicos (ABPC).

Realiza atendimentos como Psicanalista Clínica em Sorocaba e Campinas.

Também trabalha há mais de 7 anos com Coaching de Vida e é especialista em Coaching Afetivo. É conciliadora da Justiça Federal e autora dos blogs Coaching Afetivo e Psicanálise Sorocaba.

Por que fazer Psicanálise ?
Porque em algum momento de nossas vidas sofremos traumas, sentimos mágoas, culpas, frustrações, perdemos o rumo, nos desconhecemos, buscamos ser melhores do que somos e sabemos que podemos ir além.

Geralmente, as pessoas não têm consciência das diversas causas que determinam seus comportamentos e suas emoções. Estas causas estão em nosso inconsciente, e através de um Processo Psicanalítico, é possível compreendermos por que agimos como agimos e como podemos ser pessoas melhores, mais equilibradas e conscientes de nossos atos e escolhas.

Através do método da Individuação desenvolvido por Jung, paciente e analista buscam juntos a resolução dos conflitos mediante sua re-significação, possibilitando a ampliação da consciência do paciente. Com a interpretação do material trazido pelo paciente, o Processo Psicanalítico possibilita o surgimento de novos caminhos e novas possibilidades para que o paciente tenha uma vida plena e feliz.

Contatos pelo e-mail psicanalise@patriciacamargo.com.br ou pelos celulares (15) 9 9855-2277 / (19) 9 9739-4019 (What´s app)


Link da matéria da TV Tem (Afiliada da Rede Globo em Sorocaba) em que Patrícia Camargo é entrevistada sobre como realizar seus sonhos :



terça-feira, 28 de abril de 2015

Intolerância faz mal, muito mal


Tenho visto muitas pessoas intolerantes e muitas cenas de intolerância também. Por vezes a intolerância se manifesta através da perseguição. Algumas vezes ela está camuflada, mas num lapso de memória ou num ato falho ela vem à tona. Eu poderia dizer que junto com o egoísmo, e talvez por consequência deste, a intolerância é um dos males do nosso século.

Hoje novamente um guarda branco matou um suspeito negro nos EUA. Desnecessário dizer que isto acontece aqui no Brasil diariamente e é muito pouco noticiado. Gays, lésbicas e transexuais são perseguidos simplesmente por sua escolha sexual. Homem tem que ser homem e mulher tem que ser mulher - e com o caráter, ninguém está preocupado ? Então ser corrupto e desonesto pode, mas homossexual nem pensar ! E a intolerância religiosa ? Quantos muros mais serão construídos em nome da religião ? Mas a mensagem não era "Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei ?"

Li com profunda admiração um texto da Fernanda Montenegro sobre a morte da crítica teatral Bárbara Heliodora. Me chamou a atenção como elas eram amigas e nutriam grande admiração uma pela outra, mesmo que - e não foi raro - a crítica da Bárbara Heliodora ao trabalho da Fernanda tivesse sido algumas vezes mordaz e talvez impiedosa. Esta divergência de opiniões nunca abalou a amizade das duas - que coisa extraordinária ! 

Recentemente vemos a polaridade do país dividido entre petistas e não petistas. Um grupo não conversa com o outro e se ofende com o outro. Mas ambos não podem expressar suas opiniões ? Não podemos mais ser amigos e sermos divergentes ?

No dia a dia, gostamos de conviver com pessoas que pensam como nós. Na verdade, nossas amizades são baseadas nisso. Mas as diferenças existem e sempre existirão e temos que ficar alertas para não cairmos na intolerância expressa na não aceitação de opiniões diferentes das nossas.

Na família temos pessoas diferentes de nós. No trabalho, na igreja, na faculdade. O mundo é rico exatamente por isso : porque somos diferentes. Aceitarmos as diferenças e os diferentes faz parte do bom convívio, desde que não mexa com seus valores. E aí volto à questão do caráter já mencionado no início deste artigo.

Procure ser tolerante com as pessoas ao seu redor. Procure conviver e olhar o melhor que cada um tem a lhe oferecer. E não se admire se perceber que o maior presente foi você quem recebeu : ser uma pessoa pacífica, tolerante, com um sorriso nos lábios, estimada por muitos - apesar de todas as diferenças.